A Política Criminal na Modernidade Líquida

Alejandro César Rayo Werlang
O empenho de Alejandro, recompensado pela excelência do que escreveu, decodifica em passant a intenção de Bauman  para apontar, com irrebatíveis argumentos, que o cidadão transgressor torna-se um delinquente-tumor (expressão nossa), que deve ser extirpado do seu habitat social, sem que o Estado assuma sua responsabilidade de dar-lhe um tratamento digno e, muito menos, tentar recuperá-lo. A mais, o texto aponta que, na esteira dessas consequências, a nova orientação no tratamento criminal, entendendo-se falsamente como forma de combater eficientemente a criminalidade, e cônsono com o pensamento neoliberal, reduzir os investimentos para enfrentar a perversa crise do sistema prisional, além de exibir a intenção de aumento do controle e repressão, não abandonam – ao contrário, incrementam – a preponderância das soluções meramente punitivistas. O texto é de uma riqueza ímpar na nova literatura penal e se me aparenta com uma forma de resistência – não romântica e imatura – mas, sim, presa a uma realidade que passa imperceptível aos que tem a responsabilidade de ver que a punição oficial, hoje, mais não é que a legitimação da barbárie (presente, obviamente, a realidade prisional brasileira). Do prefácio de Aramis Nassif Desembargador aposentado do TJRS
*Este livro não poderá ser entregue em Portugal.
 
Saiba mais

US$20.40

O empenho de Alejandro, recompensado pela excelência do que escreveu, decodifica em passant a intenção de Bauman  para apontar, com irrebatíveis argumentos, que o cidadão transgressor torna-se um delinquente-tumor (expressão nossa), que deve ser extirpado do seu habitat social, sem que o Estado assuma sua responsabilidade de dar-lhe um tratamento digno e, muito menos, tentar recuperá-lo.

A mais, o texto aponta que, na esteira dessas consequências, a nova orientação no tratamento criminal, entendendo-se falsamente como forma de combater eficientemente a criminalidade, e cônsono com o pensamento neoliberal, reduzir os investimentos para enfrentar a perversa crise do sistema prisional, além de exibir a intenção de aumento do controle e repressão, não abandonam – ao contrário, incrementam – a preponderância das soluções meramente punitivistas.

O texto é de uma riqueza ímpar na nova literatura penal e se me aparenta com uma forma de resistência – não romântica e imatura – mas, sim, presa a uma realidade que passa imperceptível aos que tem a responsabilidade de ver que a punição oficial, hoje, mais não é que a legitimação da barbárie (presente, obviamente, a realidade prisional brasileira).

Do prefácio de Aramis Nassif
Desembargador aposentado do TJRS

*Este livro não poderá ser entregue em Portugal.

 

Características

Autor: Alejandro César Rayo Werlang
ISBN: 978-989-52-2494-4
Editora: Chiado Editora
Ano de publicação: 2018
Capa: Brochura
No de páginas: 200
Língua: Português
Dimensões: 21.6 x 14

Mais sobre o livro

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “A Política Criminal na Modernidade Líquida”