O sequestro do barroco na formação da literatura brasileira

Haroldo De Campos
O sequestro do Barroco apresenta a tese de Haroldo de Campos a respeito da formação da literatura no Brasil. Causando discórdia entre as correntes críticas, o livro propõe novas leituras e reflexões a respeito dos principais clássicos literários nacionais. Saiba mais

US$21.00

O sequestro do Barroco apresenta a tese de Haroldo de Campos a respeito da formação da literatura no Brasil. Causando discórdia entre as correntes críticas, o livro propõe novas leituras e reflexões a respeito dos principais clássicos literários nacionais.

Características

Autor: Haroldo De Campos
ISBN: 978-85-7321-338-6
Editora: Iluminuras
Ano de publicação: 2011
Capa: Brochura
Subtítulo: O caso Gregório de Matos
No de páginas: 128
Língua: Português (Brasil)
Dimensões: 20.3 x 13.3

Mais sobre o livro

Sobre o autor

Templo Cultural Delfos: Haroldo de Campos - transcriações poéticasHaroldo Eurico Browne de Campos nasceu em 19 de agosto de 1929, em São Paulo, formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo em 1952, no mesmo ano em que fundava, com o irmão Augusto de Campos e Décio Pignatari, o Grupo Noigandres, de poesia concretista. Publicou mais de trinta livros, como A máquina do mundo repensada. Em 1992, ganhou o Prêmio Jabuti de personalidade literária do ano. Em 1999, o Prêmio Jabuti de poesia foi conferido para seu livro Crisântempo: no espaço curvo nasce um (1998).
Considerado o mais barroco dos concretistas, Haroldo de Campos tem sua obra poética intimamente ligada ao movimento. Como tradutor, traduziu para o português poemas de autores clássicos como Homero, Dante, Goethe, Maiakóvski, além de textos bíblicos, como o Gênesis e o Eclesiastes. Publicou numerosos ensaios de teoria literária, entre eles A arte no horizonte do provável (1969). Morreu em agosto de 2003 em São Paulo aos 73 anos,  tendo publicado, pouco antes, sua transcriação em português da Ilíada, de Homero.

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “O sequestro do barroco na formação da literatura brasileira”